Câncer
Genes da metástase do câncer de mama são descobertos
Diabetes
Pesquisa detecta alterações que precedem retinopatia diabética
Parkinson
Trabalho analisa mudanças psicossociais relacionadas à doença de Parkinson
Doenças negligenciadas
Estudo identifica distribuição de variedades do hantavírus no Brasil
Pulmão
Modelo inovador para tratar estenose de traqueia em crianças
Diabetes
Terapia com células-tronco reverte diabetes tipo 1
Câncer
Para pesquisadores, o estudo não encontrou "nenhuma associação convincente" com o câncer, apesar de alertarem que os resultados deverão ser analisados em longo prazo.
Pediatria
Calendário vacinal deve fazer parte da rotina médica de todas as especialidades
 
Cadastre-se e receba
periodicamente em
seu e-mail as notícias
da pesquisa médica e
farmaceutica

Agenda de eventos
Links úteis
Sociedade médicas

Como me cadastro?
Esqueceu sua senha?
Altere seus dados
 
 
Revista - Vendo por dentro
 

Inspeção termográfica

Técnica não invasiva, baseada na radiação infravermelha, permite diagnosticar quadros de dor crônica sem causa aparente, que caracterizam a síndrome fibromiálgica, a distrofia simpática, as neuropatias, as dores miofasciais, entre outras disfunções fisiológicas ou mutações genotípicas, como o câncer de mama

Por Cecília Proença


Todos os corpos com temperatura acima de -273ºC, marca do zero absoluto, emitem radiação infravermelha, com frequência eletromagnética de intensidade proporcional à temperatura. A possibilidade de capturar, em uma imagem digital de alta resolução, as diferentes temperaturas de cada tecido do organismo e, a partir delas, diagnosticar o que se passa é um dos avanços recentes da medicina minimamente invasiva (leia a partir da página 58 os procedimentos minimamente invasivos que já substituem alguns tipos de cirurgia cardíaca de céu aberto). O método diagnóstico denominado termografia não utiliza radiações ionizantes, é indolor e dispensa a utilização de contraste, podendo ser aplicado em crianças e gestantes. Na imagem capturada, cada pixel corresponde a uma temperatura em graus Celsius, na qual tecidos mais vascularizados, portanto mais quentes, irradiam colorações mais vibrantes, enquanto os mais frios, menos vascularizados, têm a coloração escurecida.

Uma vez que as alterações termogênicas, em diferentes tecidos, podem refletir
doenças, mutações genotípicas ou mudanças de funções fisiológicas, a inspeção termográfica é uma alternativa não destrutiva de observar padrões de informações sobre determinado processo. A possibilidade de utilização dessa técnica na
medicina, com finalidade diagnóstica, foi descrita pela primeira vez por Lloyd Williams et al., no jornal britânico Lancet, em 1961, originalmente para detecção do câncer de mama. De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Termologia e médico do Hospital Nove de Julho, Marcos Leal Brioschi, atualmente algumas capitais brasileiras já possuem e outras estão em fase de aquisição de um equipamento do gênero. Em São Paulo, a termografia está disponível no Hospital Nove de Julho e na Divisão de Medicina Física e de Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP). Não é um exame caro, seus custos são semelhantes aos de uma tomografia e os pacientes têm direito à cobertura pelos planos de saúde.

Condições musculares dolorosas

Dr. Brioschi explica que existem padrões específicos de imagem para cada distúrbio. Um exemplo é a síndrome fibromiálgica, na qual o paciente apresenta, na região do tronco, uma imagem aquecida "em manto" (distúrbio de termorregulação), as extremidades frias (vasoconstrição periférica devido ao estresse) e o aquecimento palpebral, um distúrbio do sono conhecido como "olhos de coruja", que não são observados em uma pessoa normal. As análises de imagem são feitas com o auxílio de uma escala colorida, quantitativa, disposta ao lado da cena capturada para auxiliar a interpretação visual. O médico enfatiza que, como todo exame, a termografia deve ser correlacionada à avaliação clínica. E, como todo procedimento diagnóstico de alta tecnologia, a operação dos equipamentos exige
conhecimento e habilidade para o cumprimento de normas técnicas mínimas. Devido à possibilidade da termografia de avaliação multissistêmica do corpo inteiro, a termografia permite uma abrangência diagnóstica jamais alcançada por outros métodos, de forma totalmente inócua.

Atualmente, o método vem sendo mais aplicado na elucidação de dores crônicas resistentes ao tratamento ou cujo diagnóstico ainda não foi esclarecido, como
as que envolvem os quadros de síndrome fibromiálgica, distrofia simpática, neuropatias, dores miofasciais e as lesões repetitivas relacionadas ao trabalho e à atividade esportiva, explica Dr. Brioschi. Casos de pacientes com dores crônicas inespecíficas são frequentes na clínica médica. Na falta de uma ferramenta diagnóstica mas precisa, eles são tratados muitas vezes como portadores de transtornos psíquicos ou de anormalidades psicossomáticas. "O exame infravermelho é o único método diagnóstico por imagem que evidencia os pontos de gatilho da dor", diz o médico. Por isso é útil no diagnóstico nos casos como a síndrome dolorosa miofascial, responsável por insucessos terapêuticos em decorrência da falta de diagnóstico, que levam o paciente a ter sintomas dolorosos crônicos, baixa produtividade e má qualidade de vida.

Estudos demonstraram que o exame infravermelho tem sensibilidade alta quando comparado a outros exames, também na detecção de neuropatias. Muitas alterações da função fisiológica, por exemplo, que não são detectadas por exames radiológicos convencionais por não envolverem mudanças estruturais são diagnosticadas com as técnicas da termografia. Em um estudo realizado por Cho et al., com 1.458 casos de herniação discal lombar, a imagem infravermelha mostrou alta sensibilidade quando associada aos sintomas clínicos, de 89,5% comparativamente a outros estudos radiológicos. A imagem do nível anatômico da herniação discal foi comparada à da mielografia, da tomografia e da ressonância magnética e resultou similar em 79,1%, 78,8% e 76,6% dos casos, respectivamente. Estudos retrospectivos demonstraram a sensibilidade de 90% da imagem infravermelha, comparada com outras modalidades de exames de imagem, como a tomografia e a ressonância magnética. Porém, enfatiza o médico, a termografia demonstra as alterações fisiológicas da dor.

Variedade de aplicações

Tendo em vista a produção de calor decorrente de processos inflamatórios, a termografia tem se demonstrado eficiente, ainda, na avaliação de infecções, queimaduras, síndrome de Fournier, úlcera de decúbito, pé diabético, entre outras doenças inflamatórias. O método também é interessante na prevenção dessas doenças, como constataram os pesquisadores que analisaram 91 pacientes geriátricos sem lesão sacral para avaliar o risco de desenvolvimento de úlcera. Eles concluíram que o infravermelho pode ser um indicador mais preciso para avaliar o risco de desenvolvimento da úlcera de decúbito e diminuir em até 50% o seu desenvolvimento, uma vez que o método detecta as lesões ainda ocultas. A utilização da imagem por infravermelho tem sido estudada em procedimentos cirúrgicos, na avaliação da microcirculação de órgãos e tecidos. Caso exista
uma rede arterial em determinado órgão, seu padrão anatômico pode ser claramente analisado a partir da termografia e, assim, graus de isquemia, necrose ou mesmo a viabilidade de enxertos cutâneos podem ser investigados pelo método - como na revascularização do miocárdio e transplantes de rins e fígado.

A inflamação é um dos sinais mais importantes de distúrbio na reumatologia. Seja qual for a patogênese examinada e, em razão da dificuldade em se quantificar objetivamente a atividade inflamatória nas doenças reumatológicas, diferentes autores têm proposto associação da imagem infravermelha com a avaliação clínica subjetiva. O uso da termografia no diagnóstico desse grupo de doenças da artrite reumatoide vem tendo resultados satisfatórios. Na área previdenciária, a termometria cutânea por termografia infravermelha é um método relativamente novo que vem sendo usado em perícia médica para avaliação neuromusculoesquelética de pacientes com dores crônicas, tais como LER/DORT. Ela é um auxiliar precioso para a identificação etiológica e o seguimento das lesões, especialmente nessas doenças dos tecidos moles para os quais o método está mais indicado.

Fontes

Brioschi ML, Cherem AJ, Ruiz RC, Sardá Jr JJ, Silva FMRM. O uso da termografia infravermelha na avaliação do retorno ao trabalho em programa de reabilitação ampliado (PRA). Acta Fisiatr. 2009;16(2):87-92.
Brioschi ML, Yeng LY, Pastor EMH, Teixeira MJ. Utilização da imagem infravermelha em reumatologia. Rev Bras Reumatol. 2007;47(1):42-51. Brioschi ML, Yeng LY, Teixeira MJ. Diagnóstico avançado em dor por imagem infravermelha e outras aplicações. Prática Hospitalar. 2007;4(50):93-8. Disponível em:
http://www.praticahospitalar.com.br/ pratica%2050/pdfs/mat%2013-50.pdf
Cho YE, Kim YS, Zhang HY. Clinical efficacy of digital infrared thermographic imaging in multiple lumbar disc herniations. J Korean Neurosurg Soc. 1998;27:237-45.
Williams KL, Williams FJ, Handley RS. Infra-red thermometry in the diagnosis of breast disease. Lancet. 1961;2(7217):1378-81.

 
Imprimir
Enviar por e-mail
Comentar